CENTRO DE REFERÊNCIA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - CRAS

O Centro de Referencia da Assistência Social - Vila São Judas Tadeu, inaugurado em 25 de agosto de 2006 abrange as localidades de Vila São Judas Tadeu, Volta Grande, Vila Jardim Zelinda, Vila Dona Emma, Loteamento Antonio Honnes, Loteamento Parque Novo Sul, Loteamento Carlos Fuchs e Loteamento Schadeck. Caracterizado como Pequeno Porte II, o CRAS possui capacidade de atendimento a 3.500 famílias.

Localizado a Rua Jacob Schelbauer, Sn; o CRAS funciona em um antigo Centro Comunitário com 200 m2 contendo 03 salas para trabalho com grupos; 01 sala de coordenação e atendimentos; 01 recepção; 01 cozinha e 03 banheiros.

Atualmente a equipe técnica do CRAS é composta pelos seguintes profissionais:

  • 01 Coordenadora - Antonia Sydorak Alves;
  • 01 Assistente Social - Simone Moreira;
  • 01 Psicologa - Franciane de Fatima Pasemko Alves;
  • 02 Estagiárias - Daiane Baumgartner Delponte e Alessandra Karine Martins
  • 01 Serviços Gerais - Izaíra Lourenço Maess.

Além de dez grupos de orientação, executados por meio do Programa de Atenção Integral a Família - PAIF através dos Serviços de Convivência de Fortalecimento de Vínculos com atendimento a 99 pessoas entre 0 e 17 anos de idade e ainda Grupo de Terceira Idade - com idade igual ou superior a 60 anos ; o CRAS desempenha ações não continuadas como cursos ofertados em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural - SENAR e Secretaria Municipal de Assistência Social; possui ainda coletivos de Projovem Adolescente referenciados ao CRAS e oficinas com famílias dentro do PAIF com encontros mensais.

O PAIF rege-se pela universalidade e gratuidade de atendimento, sendo este programa de execução exclusiva do CRAS. São destinatários do PAIF as famílias em situação de vulnerabilidade e risco social, residentes em territórios de abrangência do CRAS, ou seja, em situação decorrente da pobreza, privação, ausência de renda, precário ou nulo acesso aos serviços públicos, intempérie ou calamidade, fragilização de vínculos afetivos e de pertencimento social decorrente de discriminações etárias, étnicas, de gênero, sexualidade, deficiência, entre outros, a que estão expostas famílias e indivíduos e que dificultam seu acesso aos direitos e exigem proteção social do Estado, segundo a Política Nacional de Assistência Social - PNAS/2004. Visando ainda o atendimento em especial:

  • Famílias beneficiárias de programa de transferência de renda e dos benefícios assistenciais;
  • Famílias que atendem os critérios dos programas de transferência de renda e benefícios assistenciais, mas que ainda não foram contempladas;
  • Famílias em situação de vulnerabilidade em decorrência de dificuldades vivenciadas por algum de seus membros;
  • Famílias com pessoas com deficiência e/ou pessoas idosas que vivenciam situações de vulnerabilidade e risco social.

São ofertadas por meio de serviços de proteção básica da assistência social, além do PAIF, ações que visam potencializar a família como unidade de referencia fortalecendo seus vínculos internos e externos de solidariedade através do protagonismo de seus membros e da oferta de um conjunto de serviços locais que visam à convivência, a socialização, e o acolhimento em famílias cujos vínculos familiares e comunitários não foram rompidos, bem como, a promoção da integração ao mercado de trabalho.

O Centro de Referencia da Assistência Social desempenha os seguintes programas/projetos.

  • Grupo Cegonha: Grupo composto por gestantes, com encontros quinzenais de uma hora e meio. Objetiva a orientação das gestantes desde a concepção até o pós parto, momento de amamentação e cuidados com o bebe, com intuito de viabilizar as mesmas uma melhor qualidade de vida.
  • Grupo Azaléia: Grupo de Terceira Idade para pessoas com 60 anos completos ou mais. Realização de encontros semanais com duração de uma hora e meia. Objetiva através do grupo de orientação o repasse de informações a respeito do processo de envelhecimento de forma saudável e harmônica.
  • Grupo de 00 a 01 ano e 02 a 03 anos: Grupo de orientação realizado a cada quinze dias com encontros de uma hora e meia, objetiva o trabalho em conjunto com os pais, no sentido de fortalecimento de vínculos familiares, através da discussão de temas presentes na educação nos menores.
  • Grupo de 04 a 06 anos: Realizado quinzenalmente com encontros de uma hora e meia. Objetiva também o fortalecimento dos vínculos familiares através da realização de dinâmicas e trabalhos em grupo realizado com os pais.
  • Grupo de 7 a 10 anos: Grupo de orientação. São trabalhados temas referentes à socialização, convivência familiar e comunitária com objetivo de fortalecimento de vínculos.
  • Grupo de 11 a 14 anos: Grupo de orientação. São trabalhados temas relacionados às mudanças físicas e comportamentais da adolescência, bem como, as formas de compreender e conviver com tais mudanças.
  • Grupo de 15 a 17 anos: Grupo de orientação, com encontros mensais de uma hora e meia. Trabalha com o acolhimento escuta e orientação frente às duvidas apresentadas pelos jovens. Atividades direcionadas de acordo com temas sugeridos pelo grupo.
  • Projovem Adolescente: Coletivo de 30 jovens de 15 a 17 anos, desempenhado diariamente no Centro da Juventude Volta Grande. O qual visa garantir a convivência familiar e comunitária, criando condições para sua inserção, reinserção e permanência no sistema educacional.

Os Grupos de Orientação acima mencionados possuem um objetivo em comum que é o de fortalecimento dos vínculos familiares, evitando a violência no âmbito de suas relações; através da reflexão de temas de interesse das famílias em situação de maior vulnerabilidade e risco social, sendo estas famílias integrantes do Programa de Atenção Integral a Família- PAIF, ou seja, os presentes grupos representam ações continuadas que estão sempre a disposição da população sem descontinuidades ou interrupções.

Em relação à inserção produtiva, o CRAS realiza periodicamente cursos de educação profissional com certificação do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural - SENAR e/ou outras entidades ministrantes de cursos.

Também vem sendo realizadas ações comunitárias com objetivo de trazer até a população das áreas de abrangência do CRAS, o conhecimento a cerca de sua historia, por meio da realização de um resgate cultural, cujos moradores serão peças fundamentais para a realização desse trabalho que vem sendo idealizado.